Home Atas Ata
Câmara Arcoverde 05/08/2019

ATA DA 02ª (SEGUNDA) SESSÃO ORDINÁRIA DO 2º (SEGUNDO) PERÍODO LEGISLATIVO, EM 05 (CINCO) DE AGOSTO DE 2019 (DOIS MIL E DEZENOVE).

Aos cinco dias do mês de agosto de dois mil e dezenove, às dezenove horas e trinta minutos, na Câmara de Vereadores, estiveram presentes para a segunda sessão ordinária do segundo período legislativo os (as) seguintes vereadores: (as): Cleriane Alves, Everaldo de Lira, Geraldo Vaz, João Heriberto, Luíza Margarida, Wevertton Siqueira e Zirleide Monteiro, sob a Presidência da vereadora Célia Galindo. A sessão foi declarada aberta com as palavras da presidente que cumprimentou os presentes. Justificou a ausência dos vereadores Cybelle Gomes e João Batista. Lida, a ata da sessão anterior foi aprovada em primeira e segunda votação. De imediato,  foi autorizada a palavra ao primeiro secretário para a aleitura do expediente do dia, constou de: Projeto de Lei nº 01/2019, de 31 de julho de 2019, oriundo do Poder Executivo, EMENTA: Estabelece as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2020 e dá outras providências; Ofício nº 442/2019 da prefeitura municipal de Arcoverde; Ofício nº 1820/2019 da secretaria municipal de educação. Encerrada a leitura, a presidente iniciou o PEQUENO EXPEDIENTE e solicitou ao vice-presidente que assumisse os trabalhos da Casa. O vereador Everaldo liberou a palavra à vereadora CÉLIA GALINDO.  Manifestou a tristeza dela pelo falecimento do menino José Wellington Alexandre da Silva e solicitou a todos um minuto de silêncio em memória dele. Disse que o loteamento Maria de Fátima Freire iniciou-se de forma errada, sem as estruturas advindas do projeto “Minha casa, minha vida” do Governo Federal. Falou que seria do estado a responsabilidade sobre a segurança da população. Disse que a sociedade de Arcoverde estaria em luto em virtude do assassinato do pequeno Wellington. CLERIANE ALVES. Agradeceu a Célia pela homenagem ao pequeno Wellington. Falou que cobraria do governo federal, do banco do Brasil e da empresa responsável pela construção dos imóveis, ações em benefício daquele loteamento. Disse que sempre estaria no loteamento e atendia as reivindicações das famílias dentro do possível. Mostrou a indignação dela pelo fato da mãe do menino Wellington, Andréia Alexandre Silva, ter negado até na delegacia o motivo do desaparecimento do filho. JOÃO HERIBERTO. Requereu à prefeita: 1.a) Fazer um estudo no cruzamento da Av. José Bonifácio com a Rua Nove – COHAB II; b) Instalar quebra-molas na Av. Leonardo Arcoverde, em frente ao Centro de Educação Física – São Cristóvão; c) Consertar o calçamento da Rua Noé Nunes Ferraz – São Cristóvão. Aprovados com a associação das vereadoras Célia e Zirleide. ZIRLEIDE MONTEIRO. Requereu à Prefeita; 1.a) Fazer capinação nas ruas: Padre Félix Barreto e Otaviano Neves – Centro e Jurandir e Brito e 1º de Fevereiro – Cidade Jardim; b) Repor o calçamento na Rua Francisco Antonio Moreno – Centro; c) Retirar metralhas das ruas: Antônio Feitosa de Oliveira e José Estrela de Souza – Alto Cardeal e Vitorino Pacheco Freire – São Miguel; d) Substituir luminárias nos postes das ruas: Jurandir de Brito – Cidade Jardim e Sérgio Domingos Ramos – Centro. 2) Ao gerente da COMPESA, no sentido de consertar rede de abastecimento d’água na Rua Francisco Antônio Moreno – Centro. Aprovados os requerimentos. Fez comentários sobre a tragédia ocorrida no loteamento Maria de Fátima Freire e culpou o governo municipal, porque a prefeita não interveio de fato atrás de recursos efetivos, como a creche e o posto de saúde do projeto federal “Minha casa, minha vida”, para mais de cinco mil e seiscentas pessoas que ali residiam. Elencou alguns problemas de infraestrutura naquele bairro e repudiou a ausência do conselho tutelar em relação a falta de visitas para acompanhar de perto os problemas sociais das crianças e adolescentes que residiam naquele loteamento. LUÍZA MARGARIDA. Requereu à prefeita: 1.a) Fazer a terraplanagem na estrada do Deserto – São Cristóvão; 2) Moção de Aplauso a Alexsandro Marques dos Santos e equipe pela realização do MotoFest 2019. Falou da tristeza em toda a cidade pelo assassinato do menino Wellington e sobre a violência em todo o país. Defendeu a prefeita e disse que o governo estaria trabalhando. Elencou alguns logradouros que seriam recuperados e calçados na cidade e lamentou algumas colocações feitas pela vereadora Zirleide em relação ao governo municipal. Aprovados os requerimentos. Encerrado o pequeno expediente, a presidente iniciou o GRANDE EXPEDIENTE solicitando ao vice-presidente que assumisse os trabalhos da Casa. O vereador Everaldo liberou a palavra à vereadora CÉLIA GALINDO. Disse que os vereadores teriam o direito de cobrar e fiscalizar as ações do governo e comentou sobre a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) chegada à Casa Legislativa para ser discutida e votada para o exercício no ano vindouro. Relembrou o momento da entrega das casas do loteamento Maria de Fátima através do ministro de estado Bruno Araújo. A prefeita, naquele momento, estaria adquirindo um grande problema e não uma solução. Defendeu a prefeita no sentido das visitas dela no loteamento Maria de Fátima, agumentando que a questão da segurança era dever do governo do estado e chamou a atenção do conselho tutelar do município para que ele se fizesse presente nas comunidades carentes. Informou que iria fazer naquela Casa palestras sobre a reforma da previdência. Parabenizou Lelé e equipe pelo evento da MotoFest e lembrou Tarcísio Leite da Silva, conhecido como mestre Canguru, um jovem que desenvolve projetos culturais com crianças e adolescentes no Bairro Boa Esperança. Falou que iria solicitar a prefeita o Estádio Souto Maior, para atender atividades recreativas, esportivas e culturais para as crianças e adolescentes da nossa cidade. Falou sobre o comentário de uma internauta que dizia que alguns políticos estariam se aproveitando do assassinato de Wellington, ou seja, da desgraça dos outros e estariam se promovendo politicamente. CLERIANE ALVES. Agradeceu à prefeita o translado e sepultamento do pequeno Wellington. Informou que a empresa responsável pela construção das residências e todo o contexto que havia no projeto “Minha casa, minha vida”, a ARQUITEC faliu e o projeto Travessia foi extinto. Informou que no dia sete, faria uma reunião com a Secretária de Assistência Social, para reavaliar as ações que seriam implantadas no loteamento Maria de Fátima Freire. Parabenizou Ronaldo, maestro da filarmônica Joaquim Belarmino Duarte, com o projeto músicos do futuro no loteamento Maria de Fátima Freire. WEVERTON SIQUEIRA.  Solidarizou-se a todos que sentiram a morte de Wellington e parabenizou o comentário feito pela internauta Adriana Tenório, no sentido de que os políticos não se aproveitassem da desgraça dos outros. Agradeceu à prefeita por ter atendido um pedido dele quanto ao projeto dos “aulões” do ENEM e falou da emoção dele na aula inaugural que via nos rostos dos alunos esperança. Falou que os pais desses alunos não teriam condições financeiras de pagarem cursos particulares e agradeceu aos vereadores por terem votado e aprovado o requerimento dele. ZIRLEIDE MONTEIRO. Falou que os professores da rede municipal de ensino receberam os diários de classe no mês de junho e que deveriam ter recebido no mês de fevereiro. Informou que na escola de Caraíbas, distrito de Arcoverde, os alunos assistiam às aulas com os guarda-chuvas e sombrinhas abertos, em virtude da má conservação do telhado e que as mães seriam proibidas de entrarem na escola para não tomarem conhecimento da situação ali existente. Elencou algumas ações indevidas do governo, como; Falta de licitações para propaganda de rádio, blog, veículos, refeições para o gabinete da prefeita e empenhos com altos valores e poucos serviços. Ela fez questionamentos quanto à ARCOTRANS dizendo que seria uma fábrica de multas. Em aparte, Célia defendeu o diretor da autarquia Abel Correia Júnior e disse que se fosse necessário o convidaria para comparecer naquela Casa para algumas explanações. EVERALDO LIRA. Fez comentários sobre a tragédia da morte do menino Wellington e parabenizou o comentário da internauta, onde a mesma falou que não fizessem sensacionalismo, politicagem e não se aproveitassem das desgraças alheias. Falou que a oposição naquela Casa era necessária, desde que fossem feitas críticas construtivas. Não devia querer desmoralizar ou desmontar um governo que estaria trabalhando. Citou as obras realizadas e as que seriam feitas no município. Informou que os funcionários recebiam seus salários em dia e pasmem: “Queriam culpar Madalena pela morte do menino Wellington”, concluiu Everaldo. Não houve mais nenhum (a) vereador (a) a fazer uso da palavra, a Presidente deu por encerrada a sessão, agradeceu a presença de todos e convidou-os para a próxima sessão no dia 12 de Agosto, às 19 horas e trinta minutos. Nada mais a ser deliberado na Ordem do Dia eu, Maria Mônica Côrte Real Ribeiro, secretária Ad-hoc para esta sessão, redigi e digitei a presente ata, a qual será transcrita por Orlaní Limeira Silva Lima.